Conceito da criação

O símbolo nos procura 2 elementos básicos para sua construção: o símbolo do infinito representando a atemporalidade da mulher forte e ao mesmo tempo delicada. O outro elemento é a pena do pavão. O pavão é o animal símbolo da Deusa Hera que possuía templo em Esparta, era a rainha do Panteão Grego e o seu animal representa a Ave do Paraíso, é um animal associado à beleza e à perfeição.

Dessa forma são as mulheres na concepção da Espartana, grandes guerreiras provindas da perfeição.

A tipografia deriva da Courteous, busca um conceito único, extremamente elegante e minimalista, onde as serifas criam um aspecto similar aos padrões gregos arcaicos. A intenção do A é exatamente parecer o Lambda que é um sinal de reconhecimento Espartano.

A letra lambda deriva da letra Lamedh do alfabeto Fenício. Passou a ser a letra L dos Romanos, após uma rotação para a esquerda. A utilização para fins políticos desta letra teve as suas origens na Grécia antiga. As tipografias de apoio são: PT Serif e Frankin Gothic.

As cores remetem a variações do dourado, do vermelho e do oliva formando um círculo cromático em tríade. A composição de cores amplamente usadas dentro de um perfil heróico espartano e que também impõe extrema sensação de elegância e psicologicamente auxilia na chamada compra por impulso. Como complemento utilizando da retórica da natureza o verde-oliva, cor muito representativa dentro da cultura Grega e o preto símbolo de elegância e neutralidade foram adicionadas as cores de apoio.